Condenação Diária, por Lizy de Medeiros

Os assobios e palavrões assombram meus ouvidos pela rua,

Me deparo com uma risada masculina da minha expressão amedrontada

Se ignoro, não sou tão bonita assim pra ser cantada

Se fico indignada é porque não sei receber um elogio,

Feri o teu ego viril,

O meu “não” é piada

Quem mandou sair assim?

Pediu pra ser abusada

Na estatística mais uma mulher violentada,

Esquecida e julgada,

Mulher direita tem que se dar ao respeito

Não se exibe, nem dança até o chão

Apanha calada,

Afinal, não importa a sua dor reprimida,

Ela é culpada pela agressão,

Mais um feminicídio no mundo,

A mulher é acusada de tudo,

Menos protegida. 

Lizy de Medeiros. Joinvilense. Compulsiva por arte.Gosta da intensidade como um batom vermelho.Escreve porque as palavras presas a sufocam.

Editado por Eduardo Quirino

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *