Gaveta, por Lizy Medeiros

Guardo teu cheiro,
Que já se evaporou
Em meio à tantas lavagens
E dias sequentes

Guardo teu abraço,
Aquele que não me conforta mais,
Nem me aquece
Ou se faz presente

Guardo teu gosto,
Em minha boca
Cheia de outros sabores
Em tua homenagem

Guardo teu nome
Como um estilhaço aos meus ouvidos,
Guardo teu nome,
Corriqueiro

GUARDO o que restou,
TEU fantasma é um
NOME que me causa tremores.

Lizy Medeiros

Editado por Eduardo Quirino

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *