Manifesto Plasticista

HAVERÁ ÁRVORES DE FOLHAS DE PLÁSTICO,
FLORES DE PÉTALAS DE PLÁSTICO,
SÓIS DE LABAREDAS DE PLÁSTICO,
MARES DE CRISTAS DE PLÁSTICO.

O ANIMAL NÃO MAIS TERÁ A TORMENTA DA VIDA,
POIS SERÁ CONSUMIDO PELO ODOR DO PLÁSTICO.
SUAS ENTRANHAS LHE FARÃO CAMINHO,
DESDE QUE NASCERAM LHE ESPERAM.

A CONSCIÊNCIA ENTÃO ADORMECERÁ EM SONO ETERNO,
IMERSA NA PRESENÇA INFINITA DO PLÁSTICO.

FALTARÁ-LHE O CAOS,
PARA QUE SE TRANSFORME EM MORTE.



PROPOMOS O PLASTICISMO.
UMA ARTE DE PLÁSTICO.
UMA ARTE DO PLÁSTICO.

SÓ O PLÁSTICO NOS UNE. MATERIALMENTE. CONCRETAMENTE. SENSITIVAMENTE.

DECLARAMOS A MORTE,
A FOME PRIMEIRA.

DECLARAMOS A APATIA.
DECLARAMOS O ÓDIO.
DECLARAMOS A REVOLTA.

UMA ARTE DE PLÁSTICO ANTE UMA ARTE PLÁSTICA.

DECLARAMOS A ESTUPIDEZ.
DECLARAMOS A MATÉRIA.
DECLARAMOS A ABSTRAÇÃO.

HÁ BELEZA SOMENTE NA INEXISTÊNCIA.

DECLARAMO-NOS CONTRA A SOBREVIVÊNCIA.
CONTRA O HOMEM, A MULHER, O ANIMAL,
A NATUREZA, O UNIVERSO, A CONSCIÊNCIA.

DECLARAMOS A PRODUÇÃO DESESPERADA DE PLÁSTICO.

PRODUZAM IMAGENS DE PLÁSTICO.
PRODUZAM MOVIMENTOS DE PLÁSTICO.

O PLÁSTICO É SEU ALIMENTO E SUA VISÃO.

DECLARAMOS A INVEJA,
ONDE ENCONTRARÃO A VERDADE.

CONTRA A HIERARQUIA E A CLASSE,
DECLARAMOS O FOGO E A FACA.

UMA ARTE DE MISÉRIA É UMA ARTE DE MASSA.

DECLARAMOS A PRODUÇÃO DESCOMEDIDA DE PLÁSTICO.

DECLARAMO-NOS CONTRA A CULTURA,
A RAZÃO E TODO SISTEMA DE PENSAMENTO.

DIANTE DA LINGUAGEM,
TUDO QUE HAVIA ERA SILÊNCIO.

DECLARAMOS A ANSIEDADE.
DECLARAMOS O PÂNICO.
DECLARAMOS A HISTERIA.

DENTRO DE UMA ARTE PURA NÃO HÁ RISCO.

DECLARAMOS O ESQUECIMENTO.
DECLARAMOS A ESTERILIDADE.
DECLARAMOS O COLAPSO.

NOSSA ARTE É UMA ARTE DE CÓLERA,
EM NOSSA ESSÊNCIA ESTÁ A EXTINÇÃO.

SOMENTE O PLÁSTICO RESTARÁ,
CONTRA A AUTORIA, CONTRA A AUTORIDADE, CONTRA O ARTISTA.

Autor Anonimo

Editado por Bernardo Schmitt

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *