Sobre

Saudações são devidas, portanto olá!

Importante ressaltar, nenhum dos editores jamais escreveu um editorial, mas para todos os fins, isso faz parte das premissas dessa revista de vanguarda. Não seguiremos nada que já existe, não deliberadamente, pelo menos.

Os objetivos desta primeira comunicação dos editores é explicar um pouco sobre como funcionará a Punctum e no que acreditamos como agentes políticos. Comecemos em ordem:

O editor Sr. Schmitt é, como descrito por seu co-editor, um comunistinha de Iphone, que se banha no mar hiperintelectual do meio artístico e literário enquanto ataca as ações de inúmeras pessoas por serem demasiadamente elitistas. Esse garoto, hipócrita e charmoso, é o fundador e a principal mente por trás da revista. Seus interesses como já afirmado se estabelecem em defender a importância da narrativa brasileira (meses antes do seu intercâmbio para a Inglaterra) em seus diversos níveis, sendo a narrativa oral sua maior paixão. Sua opinião política converge com sua expressão artística que, principalmente no que toca ao humor, é de grande apreciação do co-editor. Talvez seja a única coisa nele de apreciação do co-editor.

O editor Sr. Quirino é, como descrito por seu co-editor, um proto-neo-liberalzinho de merda e estudante de filosofia em uma universidade pública. Ele é um racionalista nato, e vai tentar ganhar todas as discussões com termos estranhos e um mesmo tom de voz. Ele se interessa por Kant, por arruinar seu fígado e encher o saco de astrólogos que só estão cuidando da própria vida. Contudo, ele causa tremendo orgulho em seu co-editor ao se descrever como “liberal na economia e liberal também nos costumes” e por não ter votado no Amoedo ou no Bolsonaro. Ainda há esperança.

Apesar ou por causa dessas divergências, os dois editores decidiram trabalhar nessa mesma e plural revista. Obviamente, portanto, é de se esperar que sobrem socos argumentativos contra todas as ideologias de forma muito democrática (contra fascistas e nazistas sobraram mais socos, porque são ideologias supremamente idiotas). Além das questões propriamente políticas, a diferença dos dois editores se reflete em estilos, referências e crenças diversas, então, da mesma forma, sobraram socos democráticos em todas as crenças (cientologia menos, porque não importa, mas merecia mais por ser uma crença supremamente idiota)

Agora, dito isso, precisamos dizer que nossa associação só funciona por termos crenças similares, e essas crenças serão os pilares ideológicos e metodológicos dessa revista.  Entra a lista.

  1. Diálogo – Esta revista preza pela comunicação, não só entre editores mas entre todos os autores que submeterem seus textos para publicação, nossos leitores e entidades externas.
  2. Pluriculturalismo – Nós estamos em um país grande, diverso e cheio de vivências, experiências e pontos de vista diferentes. A Punctum está diretamente interessada em representar essa diversidade em suas publicações.
  3. Liberdade de Expressão Irrestrita do Indivíduo – Nós defendemos que qualquer pessoa tenha o direito de falar e seja responsabilizada pelo que fala. Mesmo opiniões que vão contra os princípios fundamentais desta revista encontrarão nela um espaço para publicação, falaremos mais sobre abaixo.
  4. A Preservação e Estimulação da Vida – Meio que auto-descritivo esse aqui, apesar de o Sr. Quirino não ser vegetariano e de o Sr. Schmitt não ter problema na escravidão de animais para tomar seu leite.
  5. Toda Expressão Artística, Científica e Filosófica tem Valor Intrínseco e Incomensurável – É isso mesmo, gente pelada no Itaú é bom, vacina é melhor, o estado é laico, a terra é redonda, etc.
  6. É Através da Discordância que Encontraremos os Meios para uma Sociedade Melhor para Todos –  Isto é, conviver pacífica e racionalmente com a discordância (com as restrições habituais).

Como Funciona a Revista.

Idealmente haverá 50% (famosa metade) de publicação de produção artística original e inédita e o resto (famosa outra metade) constitui-se por textos de caráter opinativo, frequentemente políticos e críticos. Dentre estes últimos, haverá sempre espaço para um trabalho que vá contra os pilares éticos da revista. É nosso compromisso que, qualquer texto publicado que ofenda tais princípios, seja acompanhado por uma réplica dos editores e uma tréplica do próprio autor (caso ele assim desejar) que não será respondida.

Todos os artigos publicados pela revista tem direito de resposta de qualquer leitor, que será, independentemente de nosso julgamento, publicado inalterado em nossa revista com o adendo ao título “resposta”. Contudo, temos critérios: textos meramente ofensivos, ilegais ou que encarnem o espírito argumentativo do Olavo de Carvalho serão imediatamente rejeitados. O autor de uma resposta se responsabiliza completamente por seu conteúdo. Qualquer texto que ofenda as crenças dos editores receberá um aviso prévio, indicando explicitamente sua natureza. Se você tiver uma opinião contrária a esta, por favor publique na nossa revista.

Qualquer pessoa pode escrever para a revista, nós podemos publicar qualquer tipo de conteúdo em qualquer mídia que possa ser exibida na nossa página ou impressa. Para submeter, envie a produção para o nosso e-mail oficial, com o assunto “PUBLICAÇÃO + título do texto”.

punctumrevista@gmail.com

Agradecimentos são devidos, discordem da gente.

Atenciosamente,

Sr Schmitt e Sr. Quirino